Jornal julho de 2022

O verão chegou. Os dias longos e quentes obrigam-nos a adaptar o nosso ritmo diário, submetendo-nos ao que existe. Não plantar mais plantas novas, mas cuidar e apoiar as existentes é o que pede o jardim. Até aos últimos dias de junho temos a maioria dos quartos disponíveis reservados e para julho e agosto há muita disponibilidade, pelo que todos são muito bem-vindos a viver o verão andaluz connosco. É uma época especial, onde as manhãs e as noites ganham vida, enquanto a tarde dorme.

A tríade de Nâm está concluída. Com uma ponte de vidro que liga os terraços superior e inferior, a escadaria branca rebocada e artisticamente concebida está totalmente integrada na paisagem. Agora, todos podem utilizar ativamente esta obra de arte que foi erigida no nosso jardim como um instrumento de transformação. Como instrumento Nâm, Yoginâm presenteou-nos com uma expressão física do fundamento de Nâm; a Consciência como raiz da Experiência. A Tríade está presente de forma proeminente, mas de uma forma harmoniosa. Através deste instrumento, expressamos que os nossos movimentos dentro da dualidade da nossa experiência diária - em Nâm expressa como ser e não-ser e na Tríade fisicamente reflectida na ascensão e descida da Tríade - encontram a sua existência apenas pela graça da essência desconhecida (na terminologia Nâm não-ser), a base retangular da Tríade, Consciência. Como ponto culminante do passeio meditativo pelo jardim, vendo a Tríade na sua beleza e elegância, aproximando-se dela em antecipação, a subida da Tríade torna-se uma recordação da nossa natureza, um agente transformador da nossa experiência. Convidamos toda a gente a experimentar isto por si própria.

O jardim do Asharum Nijar: Regresso às raízes

Os workshops com o Chris, o nosso especialista em ecologia, no início de junho, foram muito educativos e úteis. De manhã, reunimo-nos no pavilhão para ouvir as palestras inspiradoras do Chris sobre a composição e a saúde do solo, as necessidades e utilizações da água para as plantas, a compostagem e a cobertura vegetal. As palestras foram seguidas de um debate aberto onde partilhámos as nossas experiências e pontos de interrogação. Isto permitiu-nos chegar à mesma página e definir acções concertadas. À tarde, passámos das palavras aos actos e implementámos as conclusões das manhãs de forma coordenada. Assim, com a ajuda do Chris, analisámos algumas árvores que não estavam a ter um desempenho ótimo e iniciámos acções para apoiar o seu sistema de enraizamento e saúde geral. Aprendemos como podemos melhorar o nosso calendário de rega, como abrir o nosso solo compactado e a que devemos prestar atenção quando compramos e plantamos plantas. Gostámos muito dos workshops e isso inspirou-nos a reservar um dia da semana para nos reunirmos no pavilhão e organizarmos uma ação concertada para trabalharmos em conjunto.

As primeiras batatas foram colhidas, com a ajuda de Irma e Uli, que estavam de visita a Asharum. As batatas eram maiores do que esperávamos e conseguimos colher mais de 80 quilos do primeiro campo. Temos mais alguns campos à espera de serem colhidos em breve, uma vez que a Human experimentou várias técnicas diferentes de plantação. A partir deste primeiro campo, já descobrimos que há algumas coisas que podemos fazer de forma diferente da próxima vez para melhorar a colheita. Comer alimentos que foram cultivados na nossa própria horta sabe realmente melhor e podemos ter a certeza de que os alimentos foram cultivados de uma forma ecológica e com muito amor. Esperamos muitas abóboras este verão, pois plantámos várias espécies diferentes de abóboras em toda a horta. No ano passado, a cova das bananeiras, que enchemos com restos de cozinha e cortes da horta para produzir composto para as bananeiras, estava coberta de abóboras. Não as colocámos lá, mas elas brotaram e cresceram sozinhas a partir de uma das abóboras que comemos e cujas sementes foram parar à cova das bananeiras. Este ano, cultivámos no viveiro as sementes de três ou quatro espécies diferentes que comprámos na zona. Ao plantá-las em muitos locais diferentes, estamos a aprender qual é o melhor lugar para elas. Passo a passo, ao ritmo da natureza, aprendemos a cooperar com ela para nos alimentarmos com as dádivas da terra.

Estavam a ser construídos vários ninhos de vespas no jardim e à volta dos alojamentos. Enquanto ainda eram pequenos, removemos alguns deles fechando-os num frasco de vidro, fechando rapidamente a tampa para que o ninho e as vespas ficassem presos. Depois libertámos o ninho novamente a algumas centenas de metros do asharum, perto do desfiladeiro que separa a nossa parte da aldeia do centro de Níjar. Desta forma, conseguimos recolocar 4 ninhos. Infelizmente, nem todos os ninhos foram descobertos sem ataques. Um dia, Uli estava a cavar um buraco para colocar postes maiores junto a uma das árvores para a amarrar ao vento. Enquanto cavava, atirou acidentalmente uma pá cheia de areia para cima de um ninho de vespas. Estas atacaram-no e, durante mais de uma hora, as vespas ficaram em estado de emergência, pelo que, quando Melvin foi ver o que se passava, também foi picado por uma vespa. Felizmente, ambos não tiveram uma reação alérgica e, após alguns batimentos cardíacos acelerados, alguns gritos e algumas picadas, o ninho foi removido.

Mais construção e melhoramento

As obras estão a progredir e, agora que as paredes e o teto da nova cozinha e das duas novas salas estão prontos, os espaços interiores parecem maiores. Estamos ansiosos por nos mudarmos para a nova cozinha e esperamos poder fazê-lo antes do outono. Atualmente, a ideia é construir um espaço semi-fechado em frente à cozinha para ser utilizado como sala de jantar; protegido da direção principal do vento e suficientemente aberto para ser utilizado quando as temperaturas são elevadas. Passo a passo, o asharum está realmente a tomar forma e estamos gratos por ver que todos juntos somos capazes de fazer deste lugar um verdadeiro lugar de beleza. Sinta-se bem-vindo a partilhar esta alegria de viver!

Partilhar :

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Manter-se atualizado

Gosta do nosso projeto?

Subscreva a nossa newsletter e receba a revista mensal no seu e-mail

Nunca fazemos spam, também não gostamos.

Mais

Jornal de abril de 2024

Jardim de Nâm Living Esta edição é inspirada no trabalho de paisagismo e nas contribuições de Chris de Waard. Chris ajudou-nos desde o início a reavivar e a dar forma a um pedaço de terra seco e quase perdido que, no entanto, com a dedicação de alguns pioneiros e o apoio visionário de Yoginâm, tinha o potencial de se tornar

Ler mais "

Jornal março de 2024

Viver no Jardim de Nâm Começando com ventos fortes e um pouco de chuva, fevereiro deu os primeiros sinais de uma primavera que se aproxima. À noite e nas primeiras manhãs frescas, o ar ainda é fresco e é necessário um casaco. Durante as meditações e nos quartos de hóspedes, os fogões criam uma atmosfera confortável. Estamos gratos pelo

Ler mais "

Jornal de fevereiro de 2024

Jardim de Nâm Living Embora, em termos astronómicos, o ano novo já tenha começado no dia 21 de dezembro, culturalmente, o ano novo começa com o mês de janeiro. E foi assim suavemente para nós, com apenas um pequeno fogo de artifício ao longe, numa manhã de segunda-feira muito agradável. Passou quase despercebido aqui no Jardim de Nâm

Ler mais "

Jornal janeiro de 2024

Prólogo Na manhã em que estava a escrever e a editar este diário, chegou um novo trabalhador da construção civil. Tinha ouvido falar deste lugar e estava curioso para ver como era a nossa "iglesia", como dizia o seu colega ortodoxo romeno. O homem vinha de Marrocos e ficou impressionado com a simplicidade elegante da nossa sala de meditação. "¿De que religião és? perguntou.

Ler mais "

Manter-se atualizado

Subscreva a nossa newsletter, mantenha-se atualizado sobre os próximos eventos e receba o jornal mensal no seu e-mail.

Nunca fazemos spam, também não gostamos.